quinta-feira, 25 de agosto de 2016

22º DOMINGO DO TEMPO COMUM (ano C)

Leitura do Livro do Ben-Sirá
(Sir 3,19-21.30-31)
Filho, em todas as tuas obras procede com humildade e serás mais estimado do que o homem generoso. Quanto mais importante fores, mais deves humilhar-te e encontrarás graça diante do Senhor. Porque é grande o poder do Senhor e os humildes cantam a sua glória. A desgraça do soberbo não tem cura, porque a árvore da maldade criou nele raízes. O coração do sábio compreende as máximas do sábio e o ouvido atento alegra-se com a sabedoria.


SALMO REPONSORIAL – Salmo 67 (68)
Refrão: Na vossa bondade, Senhor, preparastes uma casa para o pobre.

Os justos alegram-se na presença de Deus,
exultam e transbordam de alegria.
Cantai a Deus, entoai um cântico ao seu nome;
o seu nome é Senhor: exultai na sua presença.

Pai dos órfãos e defensor das viúvas,
é Deus na sua morada santa.
Aos abandonados Deus prepara uma casa,
conduz os cativos à liberdade.

Derramastes, ó Deus, uma chuva de bênçãos,
restaurastes a vossa herança enfraquecida.
A vossa grei estabeleceu-se numa terra
que a vossa bondade, ó Deus, preparara ao oprimido.


Leitura da Epístola aos Hebreus
(Heb 12,18-19.22-24a)
Irmãos: Vós não vos aproximastes de uma realidade sensível, como os israelitas no monte Sinai: o fogo ardente, a nuvem escura, as trevas densas ou a tempestade, o som da trombeta e aquela voz tão retumbante que os ouvintes suplicaram que não lhes falasse mais. Vós aproximastes-vos do monte Sião, da cidade do Deus vivo, a Jerusalém celeste, de muitos milhares de Anjos em reunião festiva, de uma assembleia de primogénitos inscritos no Céu, de Deus, juiz do universo, dos espíritos dos justos que atingiram a perfeição e de Jesus, mediador da nova aliança.


Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
(Lc 14,1.7-14)
Naquele tempo, Jesus entrou, a um sábado, em casa de um dos principais fariseus para tomar uma refeição. Todos O observavam. Ao notar como os convidados escolhiam os primeiros lugares, Jesus disse-lhes esta parábola: «Quando fores convidado para um banquete nupcial, não tomes o primeiro lugar. Pode acontecer que tenha sido convidado alguém mais importante que tu; então, aquele que vos convidou a ambos, terá que te dizer: ‘Dá o lugar a este’; e ficarás depois envergonhado, se tiveres de ocupar o último lugar. Por isso, quando fores convidado, vai sentar-te no último lugar; e quando vier aquele que te convidou, dirá: ‘Amigo, sobe mais para cima’; ficarás então honrado aos olhos dos outros convidados. Quem se exalta será humilhado e quem se humilha será exaltado». Jesus disse ainda a quem O tinha convidado: «Quando ofereceres um almoço ou um jantar, não convides os teus amigos nem os teus irmãos, nem os teus parentes nem os teus vizinhos ricos, não seja que eles por sua vez te convidem e assim serás retribuído. Mas quando ofereceres um banquete, convida os pobres, os aleijados, os coxos e os cegos; e serás feliz por eles não terem com que retribuir-te: ser-te-á retribuído na ressurreição dos justos.


BOA NOTÍCIA
Etiqueta e boas maneiras
Apesar da mensagem ser muito mais profunda (e bonita!), o Evangelho do próximo Domingo parece, à primeira vista, uma simples lição de etiqueta e boas maneiras: «Quando fores convidado para um banquete nupcial, não tomes o primeiro lugar. Pode acontecer que tenha sido convidado alguém mais importante que tu; então, aquele que vos convidou a ambos, terá que te dizer: ‘Dá o lugar a este’; e ficarás depois envergonhado, se tiveres de ocupar o último lugar. Por isso, quando fores convidado, vai sentar-te no último lugar; e quando vier aquele que te convidou, dirá: ‘Amigo, sobe mais para cima’; ficarás então honrado aos olhos dos outros convidados. Quem se exalta será humilhado e quem se humilha será exaltado».

Obviamente, uma leitura mais atenta revelará a bonita catequese que esta página nos propõe: Jesus Cristo pretende ensinar aos seus discípulos a importância da humildade, da gratuidade e do amor desinteressado. Estas são atitudes fundamentais para quem quiser participar no banquete do “Reino”.

Contudo, não podemos negar uma certa ligação entre as boas maneiras e o espírito cristão. As boas maneiras envolvem normalmente duas coisas: senso comum e “sentido do outro”. Estes dois elementos (principalmente o segundo) estão em perfeita sintonia com os valores do Evangelho. As boas maneiras são, essencialmente, um instrumento que nos ajuda a cultivar a atenção que dedicamos aos outros. Ajudam-nos a receber bem e a tratar com delicadeza as pessoas que nos rodeiam. Caro leitor, que não haja ilusões: maus modos e má educação não são compatíveis com o Caminho do Senhor.

P. Carlos Caetano





Sem comentários:

ASSINAR ESTE BLOGUE - Follow by Email

Arquivo do blogue