sexta-feira, 8 de junho de 2018

10º DOMINGO DO TEMPO COMUM (ano B)

Leitura do Livro do Génesis
(Gen 3, 9-15)
Depois de Adão ter comido da árvore, o Senhor Deus chamou-o e disse-lhe: «Onde estás?». Ele respondeu: «Ouvi o rumor dos vossos passos no jardim e, como estava nu, tive medo e escondi-me». Disse Deus: «Quem te deu a conhecer que estavas nu? Terias tu comido dessa árvore, da qual te proibira comer?». Adão respondeu: «A mulher que me destes por companheira deu-me do fruto da árvore e eu comi». O Senhor Deus perguntou à mulher: «Que fizeste?». E a mulher respondeu: «A serpente enganou-me e eu comi». Disse então o Senhor Deus à serpente: «Por teres feito semelhante coisa, maldita sejas entre todos os animais domésticos e todos os animais selvagens. Hás-de rastejar e comer do pó da terra todos os dias da tua vida. Estabelecerei inimizade entre ti e a mulher, entre a tua descendência e a descendência dela. Esta há-de atingir-te na cabeça e tu a atingirás no calcanhar».


SALMO RESPONSORIAL Salmo 129 (130), 1-2.3-4ab.4c-6.7-8
Refrão: No Senhor está a misericórdia e abundante redenção.

Do profundo abismo chamo por Vós, Senhor,
Senhor, escutai a minha voz.
Estejam os vossos ouvidos atentos
à voz da minha súplica. Refrão

Se tiverdes em conta os nossos pecados,
Senhor, quem poderá salvar-se?
Mas em Vós está o perdão
para Vos servirmos com reverência. Refrão

Eu confio no Senhor,
a minha alma confia na sua palavra.
A minha alma espera pelo Senhor
mais do que as sentinelas pela aurora. Refrão

Porque no Senhor está a misericórdia
e com Ele abundante redenção.
Ele há-de libertar Israel
de todas as suas faltas. Refrão


Leitura da Segunda Epístola do apóstolo S. Paulo aos Coríntios
(2 Cor 4, 13 – 5, 1)
Irmãos: Diz a Escritura: «Acreditei; por isso falei». Com este mesmo espírito de fé, também nós acreditamos, e por isso falamos, sabendo que Aquele que ressuscitou o Senhor Jesus também nos há-de ressuscitar com Jesus e nos levará convosco para junto d’Ele. Tudo isto é por vossa causa, para que uma graça mais abundante multiplique as acções de graças de um maior número de cristãos para glória de Deus. Por isso, não desanimamos. Ainda que em nós o homem exterior se vá arruinando, o homem interior vai-se renovando de dia para dia. Porque a ligeira aflição dum momento prepara-nos, para além de toda e qualquer medida, um peso eterno de glória. Não olhamos para as coisas visíveis, olhamos para as invisíveis: as coisas visíveis são passageiras, ao passo que as invisíveis são eternas. Bem sabemos que, se esta tenda, que é a nossa morada terrestre, for desfeita, recebemos nos Céus uma habitação eterna, que é obra de Deus e não é feita pela mão dos homens.


Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Marcos
(Mc 3, 20-35)
Naquele tempo, Jesus chegou a casa com os seus discípulos. E de novo acorreu tanta gente, que eles nem sequer podiam comer. Ao saberem disto, os parentes de Jesus puseram-se a caminho para O deter, pois diziam: «Está fora de Si». Os escribas que tinham descido de Jerusalém diziam: «Está possesso de Belzebu», e ainda: «É pelo chefe dos demónios que Ele expulsa os demónios». Mas Jesus chamou-os e começou a falar-lhes em parábolas: «Como pode Satanás expulsar Satanás? Se um reino estiver dividido contra si mesmo, tal reino não pode aguentar-se. E se uma casa estiver dividida contra si mesma, essa casa não pode durar. Portanto, se Satanás se levanta contra si mesmo e se divide, não pode subsistir: está perdido. Ninguém pode entrar em casa de um homem forte e roubar-lhe os bens, sem primeiro o amarrar: só então poderá saquear a casa. Em verdade vos digo: Tudo será perdoado aos filhos dos homens: os pecados e blasfémias que tiverem proferido; mas quem blasfemar contra o Espírito Santo nunca terá perdão: será réu de pecado para sempre». Referia-Se aos que diziam: «Está possesso dum espírito impuro». Entretanto, chegaram sua Mãe e seus irmãos, que, ficando fora, O mandaram chamar. A multidão estava sentada em volta d’Ele, quando Lhe disseram: «Tua Mãe e teus irmãos estão lá fora à tua procura». Mas Jesus respondeu-lhes: «Quem é minha Mãe e meus irmãos?». E, olhando para aqueles que estavam à sua volta, disse: «Eis minha Mãe e meus irmãos. Quem fizer a vontade de Deus esse é meu irmão, minha irmã e minha Mãe».


BOA NOTÍCIA
Imperdoável?
No Evangelho do próximo Domingo, Jesus afirma algo que desorienta, difícil de entender e de conciliar com a ideia da misericórdia infinita de Deus.

«Em verdade vos digo: Tudo será perdoado aos filhos dos homens: os pecados e blasfémias que tiverem proferido; mas quem blasfemar contra o Espírito Santo nunca terá perdão: será réu de pecado para sempre».

Desconfio que vários leitores, superado o choque da descoberta da existência de um pecado que não terá perdão, perguntem prontamente: «Qual é, concretamente, esse pecado? O que significa blasfemar contra o Espírito Santo?»

A afirmação de Jesus surge no contexto de um debate sobre a Sua identidade e, tal como nos ensina São Paulo: «ninguém pode dizer: “Jesus é Senhor”, a não ser pela acção do Espírito Santo» (1Cor 12,3). A blasfémia contra o Espírito Santo seria negar a verdadeira identidade divina de Jesus.

Hoje em dia já não se ensinam às crianças os seis pecados contra o Espírito Santo que antigamente se estudavam e memorizavam no Catecismo do Papa Pio X, porque percebemos que se tratavam de 6 manifestações de um só e mesmo pecado: rejeitar Deus a tal ponto de impedi-lo de nos perdoar e salvar.

O pecado contra o Espírito Santo é “imperdoável”, porque é o próprio pecador quem impede Deus de perdoá-lo. Deus respeita a nossa liberdade e não perdoará quem negar firmemente a Redenção que Ele oferece.

P. Carlos Caetano
in LusoJornal 2018.06.08








2 comentários:

C disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
C disse...

O Papa São Pio X ensinou, no seu Catecismo Maior, que são seis os pecados contra o Espírito Santo:

1º – Desesperar da salvação.
Quando a pessoa perde as esperanças na salvação, julgando que a sua vida já está perdida e que se encontra condenada, antes mesmo do Juízo. Julga que a misericórdia divina é pequena. Não crê no poder e na justiça de Deus.

2º – Presunção de salvação.
Quando a pessoa cultiva na sua alma uma ideia de perfeição que implica um sentimento de orgulho. Considera salva pelo que já fez. Apenas Deus sabe se aquilo que fizemos merece o prêmio da salvação ou não. A nossa salvação pode ser perdida, até o último momento da nossa vida, e Deus é o nosso Juiz Eterno. Devemos crer na misericórdia divina, mas não podemos usurpar o atributo divino inalienável do Juízo. O simples facto de já se considerar eleito é uma atitude que indica a debilidade da virtude da humildade diante de Deus. Devemos ter a convicção moral de que estamos certos nas nossas ações, mas não podemos dizer que aos olhos de Deus já estamos definitivamente salvos. Os calvinistas, por exemplo, afirmam a eleição definitiva do fiel, por decreto eterno e imutável de Deus. A Igreja Católica ensina que, normalmente, os homens nada sabem sobre o seu destino, excepto se houver uma revelação privada, aceite pelo sagrado magistério. Por essa razão, os homens não se podem considerar salvos antes do Juízo.

3º – Negar a verdade conhecida como tal pelo magistério da Santa Igreja.
Quando a pessoa não aceita as verdades de fé (dogmas de fé), mesmo após exaustiva explicação doutrinária. É o caso dos hereges. Considera o seu entendimento pessoal superior ao da Igreja e ao ensinamento do Espírito Santo que auxilia o sagrado magistério.

4º – Inveja da graça que Deus dá aos outros.
A inveja é um sentimento que consiste em irritar-se porque o outro conseguiu algo de bom. Mesmo que possua aquilo ou possa conseguir um dia. É o ato de não querer o bem do semelhante. Se eu invejo a graça que Deus dá a alguém, estou a dizer que aquela pessoa não merece tal graça, tornando-me assim o juiz do mundo. Estou a voltar-me contra a vontade divina. Estou a voltar-me contra a Lei do Amor ao próximo. Não devemos invejar um bem conquistado por alguém. Se este bem é fruto de trabalho honrado e perseverante, é vontade de Deus que a pessoa desfrute daquela graça.

5º – Obstinação no pecado.
É a vontade firme de permanecer no erro mesmo depois da ação do Espírito Santo. A pessoa cria o seu critério de julgamento ético. Ou simplesmente não adota ética nenhuma e assim aparta-se da vontade de Deus e rejeita a Salvação.

6º – Impenitência final.
É o resultado de toda uma vida de rejeição a Deus. O indivíduo persiste no erro até o final, recusando arrepender-se e penitenciar-se, recusa a salvação até o fim. Consagra-se ao adversário de Cristo. Nem mesmo na hora da morte tenta aproximar-se do Pai, manifestando humildade. Não se abre ao convite do Espírito Santo

ASSINAR ESTE BLOGUE - Follow by Email

Arquivo do blogue