quarta-feira, 2 de setembro de 2015

23º DOMINGO DO TEMPO COMUM (ano B)

Leitura do Livro de Isaías
(Is 35,4-7a)
Dizei aos corações perturbados: «Tende coragem, não temais. Aí está o vosso Deus; vem para fazer justiça e dar a recompensa; Ele próprio vem salvar-nos». Então se abrirão os olhos dos cegos e se desimpedirão os ouvidos dos surdos. Então o coxo saltará como um veado e a língua do mudo cantará de alegria. As águas brotarão no deserto e as torrentes na aridez da planície; a terra seca transformar-se-á em lago e a terra árida em nascentes de água.


SALMO RESPONSORIAL – Salmo 145 (146)
Refrão:Ó minha alma, louva o Senhor.

O Senhor faz justiça aos oprimidos,
dá pão aos que têm fome
e a liberdade aos cativos.

O Senhor ilumina os olhos dos cegos,
o Senhor levanta os abatidos,
o Senhor ama os justos.

O Senhor protege os peregrinos,
ampara o órfão e a viúva
e entrava o caminho aos pecadores.

O Senhor reina eternamente;
o teu Deus, ó Sião,
é rei por todas as gerações.


Leitura da Epístola de São Tiago
(Tiago 2,1-5)
Meus irmãos: A fé em Nosso Senhor Jesus Cristo não deve admitir acepção de pessoas. Pode acontecer que na vossa assembleia entre um homem bem vestido e com anéis de ouro e entre também um pobre e mal vestido; talvez olheis para o homem bem vestido e lhe digais: «Tu, senta-te aqui em bom lugar», e ao pobre: «Tu, fica aí de pé», ou então: «Senta-te aí, abaixo do estrado dos meus pés». Não estareis a estabelecer distinções entre vós e a tornar-vos juízes com maus critérios? Escutai, meus caríssimos irmãos: Não escolheu Deus os pobres deste mundo para serem ricos na fé e herdeiros do reino que Ele prometeu àqueles que O amam?


Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Marcos
(Mc 7,31-37)
Naquele tempo, Jesus deixou de novo a região de Tiro e, passando por Sidónia, veio para o mar da Galileia, atravessando o território da Decápole. Trouxeram-Lhe então um surdo que mal podia falar e suplicaram-Lhe que impusesse as mãos sobre ele. Jesus, afastando-Se com ele da multidão, meteu-lhe os dedos nos ouvidos e com saliva tocou-lhe a língua. Depois, erguendo os olhos ao Céu, suspirou e disse-lhe: «Effathá», que quer dizer «Abre-te». Imediatamente se abriram os ouvidos do homem, soltou-se-lhe a prisão da língua e começou a falar correctamente. Jesus recomendou que não contassem nada a ninguém. Mas, quanto mais lho recomendava, tanto mais intensamente eles o apregoavam. Cheios de assombro, diziam: «Tudo o que faz é admirável: faz que os surdos oiçam e que os mudos falem».


BOA NOTÍCIA
Effathá: abre-te!
No tempo de Jesus, predominava uma mentalidade “geográfica” da santidade: para os judeus, quanto mais longe de Jerusalém, menores eram as possibilidades de salvação. Quem habitava na Judeia poderia ainda salvar-se, mas as populações da Samaria e da Galileia (regiões de fronteira, habitadas por populações mistas) dificilmente encontrariam benevolência aos olhos de Deus.

No Evangelho do próximo domingo, dia 6, é-nos descrita a cura de um surdo-mudo mas, para além do milagre em si, vê-se que o texto se preocupa em informar-nos do lugar onde tudo se passou: Jesus estava numa região chamada “Decápole”, que correspondia a uma liga de dez cidades gregas, não sujeitas às leis judaicas e, por isso, vistas pelos judeus como um território completamente à margem dos caminhos da salvação, onde a acção de Deus seria altamente improvável.

É claro que esta página não é “apenas” a narração de uma cura prodigiosa, mas é uma catequese, uma “parábola viva” onde aprendemos que Deus não faz distinção entre povos e que a Sua salvação está ao alcance de todos os homens e mulheres.

De acordo com o Evangelho, Jesus pronunciou a palavra “effathá” (“abre-te”), quando abriu os ouvidos e “soltou” a língua do surdo-mudo. Não se trata de uma fórmula mágica, com especiais virtudes curativas: “effathá” é um convite! É um convite ao homem fechado no seu mundo a abrir o coração à vida nova da relação com Deus e com os irmãos. É uma proposta feita a todos nós para que abandonemos os nossos esquemas de exclusão, racismo e xenofobia e abracemos a mensagem de fraternidade sem fronteiras que Jesus revelou com a sua vida!

P. Carlos Caetano
in LusoJornal 02.09.2015


.


Sem comentários:

ASSINAR ESTE BLOGUE - Follow by Email

Arquivo do blogue