sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

2º DOMINGO DO TEMPO COMUM (ano B)

Leitura do Primeiro Livro de Samuel
(1 Sam 3,3b-10.19)
Naqueles dias, Samuel dormia no templo do Senhor, onde se encontrava a arca de Deus. O Senhor chamou Samuel e ele respondeu: «Aqui estou». E, correndo para junto de Heli, disse: «Aqui estou, porque me chamaste». Mas Heli respondeu: «Eu não te chamei; torna a deitar-te». E ele foi deitar-se. O Senhor voltou a chamar Samuel. Samuel levantou-se, foi ter com Heli e disse: «Aqui estou, porque me chamaste». Heli respondeu: «Não te chamei, meu filho; torna a deitar-te». Samuel ainda não conhecia o Senhor, porque, até então, nunca se lhe tinha manifestado a palavra do Senhor. O Senhor chamou Samuel pela terceira vez. Ele levantou-se, foi ter com Heli e disse: «Aqui estou, porque me chamaste». Então Heli compreendeu que era o senior que chamava pelo jovem. Disse Heli a Samuel: «Vai deitar-te; e se te chamarem outra vez, responde: ‘Falai, Senhor, que o vosso servo escuta’». Samuel voltou para o seu lugar e deitou-se. O Senhor veio, aproximou-Se e chamou como das outras vezes: «Samuel! Samuel!» E Samuel respondeu: «Falai, Senhor, que o vosso servo escuta». Samuel foi crescendo; o Senhor estava com ele e nenhuma das suas palavras deixou de cumprir-se.


SALMO RESPONSORIAL – Salmo 39 (40)
Refrão: Eu venho, Senhor, para fazer a vossa vontade.

Esperei no Senhor com toda a confiança
e Ele atendeu-me.
Pôs em meus lábios um cântico novo,
um hino de louvor ao nosso Deus.

Não Vos agradaram sacrifícios nem oblações,
mas abristes-me os ouvidos;
não pedistes holocaustos nem expiações,
então clamei: «Aqui estou».

«De mim está escrito no livro da Lei
que faça a vossa vontade.
Assim o quero, ó meu Deus,
a vossa lei está no meu coração».

«Proclamei a justiça na grande assembleia,
não fechei os meus lábios, Senhor, bem o sabeis.
Não escondi a justiça no fundo do coração,
proclamei a vossa bondade e fidelidade».


Leitura da Primeira Epístola do apóstolo São Paulo aos Coríntios
(1 Cor 6,13c-15a.17-20)
Irmãos:O corpo não é para a imoralidade, mas para o Senhor, e o Senhor é para o corpo. Deus, que ressuscitou o Senhor, também nos ressuscitará a nós pelo seu poder. Não sabeis que os vossos corpos são membros de Cristo? Aquele que se une ao Senhor constitui com Ele um só Espírito. Fugi da imoralidade. Qualquer outro pecado que o homem cometa é exterior ao seu corpo; mas o que pratica a imoralidade peca contra o próprio corpo. Não sabeis que o vosso corpo é templo do Espírito Santo, que habita em vós e vos foi dado por Deus? Não pertenceis a vós mesmos, porque fostes resgatados por grande preço: glorificai a Deus no vosso corpo.


Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João
(Jo 1,35-42)
Naquele tempo, estava João Baptista com dois dos seus discípulos e, vendo Jesus que passava, disse: «Eis o Cordeiro de Deus». Os dois discípulos ouviram-no dizer aquelas palavras e seguiram Jesus. Entretanto, Jesus voltou-Se; e, ao ver que O seguiam, disse-lhes: «Que procurais?» Eles responderam: «Rabi – que quer dizer ‘Mestre’ – onde moras?» Disse-lhes Jesus: «Vinde ver». Eles foram ver onde morava e ficaram com Ele nesse dia. Era por volta das quatro horas da tarde. André, irmão de Simão Pedro, foi um dos que ouviram João e seguiram Jesus. Foi procurar primeiro seu irmão Simão e disse-lhe: «Encontrámos o Messias» - que quer dizer ‘Cristo’ –; e levou-o a Jesus. Fitando os olhos nele, Jesus disse-lhe: «Tu és Simão, filho de João. Chamar-te-ás Cefas» – que quer dizer ‘Pedro’.


BOA NOTÍCIA
«Vinde ver»
Terminadas as grandes festas do Natal, Ano Novo e Epifania, o segundo Domingo de 2018 propõe-nos uma página do Evangelho, onde encontramos Jesus Cristo já adulto. São-nos descritos os passos iniciais da Sua vida pública e o momento em que os primeiros discípulos decidem segui-l’O. Graças a este texto sabemos quais foram as primeiras palavras trocadas entre eles...

Tudo começa com uma pergunta de Jesus: «Que procurais?» É uma questão que revela o enorme respeito de Deus pelos seus filhos, pois Jesus sabe que a fé pode não ser “busca”, mas sim refúgio; que por vezes os homens não querem um “Senhor”, mas sim um patrão; que não desejam a “graça”, mas sim uma esmola que resolva os problemas. A pergunta de Jesus sugere que é importante termos sempre consciência do objectivo que perseguimos e do que esperamos d’Ele.

Os discípulos respondem com uma outra questão: «Rabi, onde moras?» É a forma que eles encontram de exprimir a vontade de aderir a Cristo, de habitar com Ele, de estabelecer comunhão de vida. Ao chamar-Lhe “rabi” (que significa “mestre”), afirmam o desejo de escutar os seus ensinamentos. A referência à “morada” de Jesus diz-nos que estão dispostos a ficar perto d’Ele e a viver sob a Sua influência.

«Vinde ver». O convite de Jesus significa que Ele acolhe os novos discípulos. “Ir” e “ver” são os verbos fundamentais, pois a fé só se pode alcançar depois de uma experiência pessoal de comunhão e de encontro com o Senhor... Não bastará nunca escutar apenas o testemunho de alguém que já acredita: é necessário “ir” e “ver” pessoalmente!

P. Carlos Caetano
in LusoJornal 2017.01.12






Sem comentários:

ASSINAR ESTE BLOGUE - Follow by Email

Arquivo do blogue